GAL

Boris Cyrulnik

B cylrunikAntes de mais, gostaria de alertar  para um aspecto menos feliz: esta tradução deixa muito a desejar, assim como outras traduções em língua portuguesa da obra do neuro-psiquiatra e etólogo Boris Cyrulnik (1937).

O conceito chave da vasta obra deste estudioso é o conceito de Resiliência: A capacidade de superar provas e desafios, a capacidade de retomar o desenvolvimento depois de uma agressão traumática.

O livro começa com o caso da cantora francesa Bárbara:
- Nasci os 25 anos, com a minha primeira canção.
- E antes?
- Lutava
- -E antes?
- -Tive de me calar para sobreviver, porque já morri há muito tempo. Outrora, perdi a vida. Mas safei-me, pois canto.

Safei-me, dizem os resilientes, que depois de um atentado, reaprenderam a viver. Mas esta passagem da sombra à luz, a fuga da cave ou a saída do túmulo necessitam de reaprender a viver uma outra vida.

Para este "safar-se", muitos aspectos contribuem: um temperamento pessoal, uma significação cultural e um apoio social.
Cada caso é único e únicas são também as formas de resiliência, já que ela depende de uma imensa variedade de factores.
Numa época em que se fala obsessivamente de felicidade- o que torna as pessoas tão infelizes- Cyrulnik defende que se o sofrimento não torna mais felizes, a vitória sobre o sofrimento dá alguma felicidade. É a metamorfose do sofrimento em obra de arte, como fez Barbara, que sofreu, do pai, agressões sexuais, é a representação do sofrimento em canção, que permite a esta cantora libertar-se dele. A provação passa a ter um sentido.

Defende este neuro-psiquiatra que, quando uma provação não tem sentido, tornamo-nos incoerentes, visto que, dado não vermos claramente o mundo em que vivemos, não podemos adaptar as nossas condutas. É preciso compreender e agir para iniciar um processo de resiliência. Compreender sem agir é propício à angústia. E agir sem compreender produz delinquentes.

As formas de acção são tantas e tão diversas como o tipo de agressão ou de trauma: agindo depois de compreender leva à resiliência, o que permite a metamorfose do ser humano, metamorfose que o liberta do fardo da culpa e o leva a perceber que, como defende Boris Cyrulnik, em cada etapa e momento da vida somo seres únicos e totais.

Não se pense, no entanto, que este processo de metamorfose é fácil. Nada há de mais difícil, mas também nada há de mais estimulante.